Somos uma escola empenhada em proporcionar, num processo dinâmico e permanente, o crescimento integral da criança, pela força do Amor, dos valores pessoais, sociais, culturais e cristãos.

OBJETIVOS DA EDUCAÇÃO CRISTÃ

– Possibilitar ao educando, a percepção da dimensão transcendente inerente a natureza humana;
Desenvolver a capacidade reflexiva/crítica aguçando a razão e demais dimensões humanas para uma visão mais abrangente do mundo.
– Proporcionar vivências que sirvam para aprofundar o significado dos valores e princípios éticos cristãos para a vida;
– Perceber, entre outras coisas, que o fluir da história e da vida é um devir que exige dos seres humanos novas e constantes formas de se portar no mundo.
– Ressaltar a necessidade de se conhecer melhor a doutrina, ensinamentos, a Igreja. Enfim, a religião que professa.
Provocar situações e vivencias que auxiliem no desenvolvimento do sentimento de amor ao próximo, e a tolerância para com o diferente.
– Fazer perceber que a paz, a justiça, o amor e a solidariedade são frutos de uma luta diária que começa no interior de cada um de nós.
– Ressaltar que o sentido da vida e a felicidade não consistem apenas na busca e realização de desejos materiais, mas em cultivar sentimentos que dão alívio as inquietações mais profundas da existência.

Pretende-se com isso, mediar o educando nas descobertas de suas capacidades humanas, tendo em vista contribuir na formação do seu Ser, para que possa diante dos desafios e exigências do mundo moderno, tomar decisões mais acertadas, orientar-se por princípios que valorizam a vida, ter horizontes menos nebulosos, não deixar-se manobrar por modismo, meios de comunicação, pelo poder, fazer bom uso da liberdade e agir com responsabilidade.

Programa de Educação Moral e Religiosa Católica

A Teoria das Inteligências Múltiplas, de Howard Gardner (1985) é uma alternativa para o conceito de inteligência como uma capacidade inata, geral e única, que permite aos indivíduos uma performance, maior ou menor, em qualquer área de atuação. Sua insatisfação com a idéia de QI e com visões unitárias de inteligência, que focalizam sobretudo as habilidades importantes para o sucesso escolar, levou Gardner a redefinir inteligência à luz das origens biológicas da habilidade para resolver problemas. Através da avaliação das atuações de diferentes profissionais em diversas culturas, e do repertório de habilidades dos seres humanos na busca de soluções, culturalmente apropriadas, para os seus problemas, Gardner trabalhou no sentido inverso ao desenvolvimento, retroagindo para eventualmente chegar às inteligências que deram origem a tais realizações.
Gardner identificou as inteligências lingúística, lógico-matemática, espacial, musical, cinestésica, interpessoal e intrapessoal. Postula que essas competências intelectuais são relativamente independentes, têm sua origem e limites genéticos próprios e substratos neuroanatômicos específicos e dispõem de processos cognitivos próprios. Segundo ele, os seres humanos dispõem de graus variados de cada uma das inteligências e maneiras diferentes com que elas se combinam e organizam e se utilizam dessas capacidades intelectuais para resolver problemas e criar produtos. Gardner ressalta que, embora estas inteligências sejam, até certo ponto, independentes uma das outras, elas raramente funcionam isoladamente. Embora algumas ocupações exemplifiquem uma inteligência, na maioria dos casos as ocupações ilustram bem a necessidade de uma combinação de inteligências. Por exemplo, um cirurgião necessita da acuidade da inteligência espacial combinada com a destreza da cinestésica.

Inteligência lingüística – Os componentes centrais da inteligência lingüistica são uma sensibilidade para os sons, ritmos e significados das palavras, além de uma especial percepção das diferentes funções da linguagem. É a habilidade para usar a linguagem para convencer, agradar, estimular ou transmitir idéias. Gardner indica que é a habilidade exibida na sua maior intensidade pelos poetas. Em crianças, esta habilidade se manifesta através da capacidade para contar histórias originais ou para relatar, com precisão, experiências vividas.

Inteligência musical – Esta inteligência se manifesta através de uma habilidade para apreciar, compor ou reproduzir uma peça musical. Inclui discriminação de sons, habilidade para perceber temas musicais, sensibilidade para ritmos, texturas e timbre, e habilidade para produzir e/ou reproduzir música. A criança pequena com habilidade musical especial percebe desde cedo diferentes sons no seu ambiente e, freqüentemente, canta para si mesma.

Inteligência lógico-matemática – Os componentes centrais desta inteligência são descritos por Gardner como uma sensibilidade para padrões, ordem e sistematização. É a habilidade para explorar relações, categorias e padrões, através da manipulação de objetos ou símbolos, e para experimentar de forma controlada; é a habilidade para lidar com séries de raciocínios, para reconhecer problemas e resolvê-los. É a inteligência característica de matemáticos e cientistas Gardner, porém, explica que, embora o talento cientifico e o talento matemático possam estar presentes num mesmo indivíduo, os motivos que movem as ações dos cientistas e dos matemáticos não são os mesmos. Enquanto os matemáticos desejam criar um mundo abstrato consistente, os cientistas pretendem explicar a natureza. A criança com especial aptidão nesta inteligência demonstra facilidade para contar e fazer cálculos matemáticos e para criar notações práticas de seu raciocínio.

Inteligência espacial – Gardner descreve a inteligência espacial como a capacidade para perceber o mundo visual e espacial de forma precisa. É a habilidade para manipular formas ou objetos mentalmente e, a partir das percepções iniciais, criar tensão, equilíbrio e composição, numa representação visual ou espacial. É a inteligência dos artistas plásticos, dos engenheiros e dos arquitetos. Em crianças pequenas, o potencial especial nessa inteligência é percebido através da habilidade para quebra-cabeças e outros jogos espaciais e a atenção a detalhes visuais.

Inteligência cinestésica – Esta inteligência se refere à habilidade para resolver problemas ou criar produtos através do uso de parte ou de todo o corpo. É a habilidade para usar a coordenação grossa ou fina em esportes, artes cênicas ou plásticas no controle dos movimentos do corpo e na manipulação de objetos com destreza. A criança especialmente dotada na inteligência cinestésica se move com graça e expressão a partir de estímulos musicais ou verbais demonstra uma grande habilidade atlética ou uma coordenação fina apurada.

Inteligência interpessoal – Esta inteligência pode ser descrita como uma habilidade pare entender e responder adequadamente a humores, temperamentos motivações e desejos de outras pessoas. Ela é melhor apreciada na observação de psicoterapeutas, professores, políticos e vendedores bem sucedidos. Na sua forma mais primitiva, a inteligência interpessoal se manifesta em crianças pequenas como a habilidade para distinguir pessoas, e na sua forma mais avançada, como a habilidade para perceber intenções e desejos de outras pessoas e para reagir apropriadamente a partir dessa percepção. Crianças especialmente dotadas demonstram muito cedo uma habilidade para liderar outras crianças, uma vez que são extremamente sensíveis às necessidades e sentimentos de outros.

Inteligência intrapessoal – Esta inteligência é o correlativo interno da inteligência interpessoal, isto é, a habilidade para ter acesso aos próprios sentimentos, sonhos e idéias, para discriminá-los e lançar mão deles na solução de problemas pessoais. É o reconhecimento de habilidades, necessidades, desejos e inteligências próprios, a capacidade para formular uma imagem precisa de si próprio e a habilidade para usar essa imagem para funcionar de forma efetiva. Como esta inteligência é a mais pessoal de todas, ela só é observável através dos sistemas simbólicos das outras inteligências, ou seja, através de manifestações lingüisticas, musicais ou cinestésicas.

Inteligência espiritual- Descrita como a capacidade de entrar em contato com a trascendencia; é a habilidade para entrar no interior da pessoa e descobrir Deus.

Quando as crianças aprendem inglês desde tenra idade, ganham uma vantagem significativa. Ensinamos inglês desde os 2 anos de idade. No 1º ciclo, a carga horária aumenta até às 2 vezes por semana durante uma hora e media, preparando os alunos para os exames de Cambridge. Estes exames têm um reconhecimento internacional. Com um certificado do Cambridge English os alunos têm acesso a melhores oportunidades de estudo e de trabalho e de vida.

O Colégio é um Centro Oficial de Exames Cambridge. Nos exames anuais da Cambridge University, os nossos alunos são avaliados nas competências de compreensão, expressão oral e escrita. Saber falar e escrever corretamente em inglês é uma competência fundamental nos dias de hoje. Embora sejamos uma escola portuguesa, queremos que os nossos alunos dominem a língua que lhes permite comunicar sem restrições com qualquer pessoa, em qualquer parte do mundo.

Os exames Cambridge English Language Assessment são conhecidos e aceites por escolas, universidades, empregadores dos sectores público e privado nos países de língua inglesa.

Ter sucesso num exame Cambridge English dá-lhe um certificado internacionalmente reconhecido que prova o seu nível de Inglês.

Para os alunos poderem treinar o vocabulário de uma forma divertida:

CAMBRIDGE WEBSITES:

http://www.cambridgeenglish.org/…/activitie…/sing-and-learn/

Metas curriculares de Inglês de 1º ciclo, despacho_151_2015

A música na escola é uma ferramenta para a qualidade no processo de aprendizagem. A musica é de suma importância para a aprendizagem da criança, sendo utilizada pelo professor como um recurso pedagógico eficiente e eficaz, fazendo com que as crianças expressem seus sentimentos, emoções, facilitando a aprendizagem, o trabalho com música, desde cantigas de rodas e músicas regionais.

Organização curricular do 1º ciclo

A informática educacional tem como objetivo permitir aos alunos o contato com este mundo informatizado, sendo mais um recurso para promover uma aprendizagem mais prazerosa, através de softwares educativos com conteúdos trabalhados em sala de aula pelo professor.

Trabalhar com o computador é uma possibilidade de ampliar e diversificar a prática pedagógica. O computador possibilita a utilização de estratégias que não se restringem ao simples uso e manuseio de uma máquina.

As atividades que são desenvolvidas dentro da sala de informática da escola é uma forma enriquecedora de conhecimentos antes adquiridos só na sala de aula,ou seja o computador com seus softwares educativos é um grande companheiro no processo de alfabetização.

A utilização do computador na escola é um grande facilitador pois auxilia na compreensão e na aprendizagem do aluno nas atividades pedagógicas trabalhadas em sala de aula. As crianças não só fixam o conteúdo como também aprendem a manusear o computador corretamente de acordo com as dificuldades que o determinado software lhe determinar.